segunda-feira, 16 de novembro de 2009


Toda viagem tem seu mapa; cada viagem faz seu mapa. Chegar sem saber onde, nem de onde; partir sem mais saber quem é. Cada viagem desnorteia o mapa, que parece carregávamos consolidado, apontando ao destino quem seríamos nós. Engodo..., o que apreendemos até então!

Verdades? Não mais são elas as conhecidas; todas se apresentam numa cerimônia que parece querer esgotar a razão que habitava a alma. Na performance mágica de cada canto, conto, esquina, as cortinas descendo deixam entrar um mundo novo, desconhecido, da raiz ao topo. Ainda bem!

Ser outro constantemente...raízes? Quais novas se fincam enquanto passamos a ver o tempo na nova perspectiva; ao escutar o vento a muitas distâncias da segurança de ser um só, de um único lugar! Ou parecidos, que sejam...

Mais que o sonho da passagem, o resto é só a mesma terra, o mesmo céu (obrigada F. Pessoa!). Pena que nos acostumamos a ignorar o tamanho do mundo!

0 Comentários:

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial